segunda-feira, 29 de setembro de 2008

A minha visão do derby

'Sidnei antecipa-se a Postiga...' (foto: site maisfutebol)
Benfica - 2 ; Sporting Clube de Portugal - 0

Eficácia… Esta palavra, mais do que resumir, explica o resultado do derby do passado sábado à noite.

O Sporting esteve bem melhor durante a primeira parte e, no período em que foi superior ao adversário, não soube concretizar as oportunidades de que dispôs. Já o Benfica, na sua fase de ascendência e quando o jogo se prestava para caminhar para uma espécie de limbo, soube transformar em golos, dois dos poucos lances de verdadeiro perigo para as redes de Rui Patrício.

Ideias fortes a retirar deste jogo:

- Boa entrada do Sporting, desta feita com uma atitude consentânea com os pergaminhos do clube. Nada a dizer neste aspecto.

- Desperdício de oportunidades claras, com uma perdida incrível de Yannick logo aos 50 segundos de jogo. Tendência que seria copiada pelo colega de ataque (aqui com mérito também de Quim) e que se manteria pelo resto da primeira parte…

- Entrada de Katsoranis ao intervalo, permitindo ao Benfica equilibrar o meio campo e, consequentemente, o controle da bola e iniciativa do jogo na segunda parte.

- Lance individual de Reyes que tira um "coelho da cartola" e transforma uma jogada aparentemente inofensiva (nasce de um lançamento lateral), num golo de excelente execução. Rui Patrício com uma boa estirada não conseguiu deter o remate, colocadíssimo.

- Má reacção do Sporting ao golo sofrido, com a agravante de permitir o segundo cinco minutos depois e o sentenciar da partida… Em lance de bola parada…

- Vitória justa da equipa da casa, pelo que conseguiu fazer nos segundos quarenta e cinco minutos.

Para finalizar, há que reconhecer que Flores foi mais expedito que Bento, mexeu quando se impunha e contribuiu decisivamente para a vitória a partir do banco. Mais uma vez, Paulo Bento reagiu tarde, tendo apenas como atenuante a falta de soluções no banco para alterar o rumo dos acontecimentos da segunda parte. Como o jogo parecia controlado, não arriscou em “agitar as águas”. Esteve particularmente mal ao trocar (já a perder) de avançado, colocando Derlei e retirando Postiga que estava a ser bem mais perigoso que o desatinado Yannick… Repetiu o erro de Barcelona, quando apostou, na minha opinião, em manter o avançado errado.

No Sporting, destaco o bom jogo de Miguel Veloso, sobretudo no primeiro tempo, e a segurança de Rui Patrício (apesar dos golos sofridos). Mal estiveram Abel na segunda parte e Romagnoli que com aquele futebol desgarrado e miudinho tarda em convencer.
Boa, foi a arbitragem de Duarte Gomes.

9 comentários:

Anónimo disse...

visitem http://qhadenovonomercado.blogspot.com/

o melhor blog da bola

PPA disse...

A rigidez Bentiana

O Sporting de Paulo Bento tem-se destacado, na minha opinião, pela Rigidez Bentiana.
Esta rigidez não será alheia a uma das principais características do treinador Leonino, a sua teimosia; que também se demonstra na dificuldade de lidar com as personalidades mais fortes e “especiais” do nosso balneário.
Já se percebeu que Bento “não conta” com quem não seguir ao milímetro o que ele pretende.
De facto a rigidez de princípios é exagerada, o que leva o Sporting a apresentar apenas um modelo de jogo exequível, o tal 4-4-2 losango.
O que sair fora disto dá asneira, o que torna este Sporting demasiado previsível, sendo demasiado fácil para os adversários saberem como o Sporting joga.
Depois é tudo uma questão de equilíbrio de forças, pois contra equipas “fracas”, quase sempre a rigidez Bentiana leva a melhor.
Os Sportings de Bento têm sido capazes de ir mais além ou não, consoante a riqueza do plantel ou a forma em que os jogadores se apresentam na altura dos desafios; mas é tudo muito previsível, muito fácil de “acertar no totobola”.
Também pela rigidez Bentiana se compreende que enquanto tudo estiver a correr de feição nos jogos, o Sporting se aguenta muito bem, seja em que campo for.
De facto, quando o Sporting se apanha a vencer por 1-0, a equipa fica confortável, pois pode aplicar a tal “tranquilidade”. E o historial de Paulo Bento no Sporting, prova que realmente quando se apanha a vencer, tem sido quase impossível aos adversários darem a volta.
Em contrapartida, quando o Sporting se apanha a perder, revela muitas dificuldades, e tem sido muito raro virar jogos, a níveis percentuais invulgarmente raros em equipas ditas grandes. É habitual as grandes equipas virarem jogos; o Sporting tem dificuldade; e porquê?
Penso que essencialmente tudo está estudadinho ao pormenor, o problema é que quando as coisas não correm bem, a equipa fica perdida em campo, muito por culpa de não estarem treinadas formas diferentes de espalhar as peças em campo.
Evidentemente que é nestes momentos que os jogadores que pela sua mais valia técnica podem fazer a diferença, e neste particular acho que estamos um pouco limitados, pois temos poucos “mágicos”.
Liedson (em forma), Rochemback, Vuk e possivelmente Izmailov serão dos poucos capazes de colocar em campo essa imprevisibilidade. Mas importa que possam actuar como “vagabundos” em campo; e não serem amarrados pelo treinador a posições e princípios demasiado tácticos.
Evidentemente que não POSSO exigir ao Sporting que vença os Gigantes Europeus, pois sejamos honestos e realistas, por melhor que joguemos a diferença é abismal; apesar de ser possível de vez em quando arrancar uma exibição fabulosa e vencer um jogo a esses colossos do futebol, como já aconteceu com o Inter, na altura com Miguel Veloso a fazer uma exibição imperial, para mim a melhor da sua carreira.
Este exemplo só vem demonstrar o grande tiro no pé de Barcelona, quando Bento decidiu amarrar Veloso a defesa esquerdo após alguns minutos em que actuou a trinco e conseguiu dar supremacia ao Sporting nesse desafio, tendo inclusivamente chegado ao golo e com 2-1 no placard ter discutido o mesmo em Camp Nou.

A excepção (que confirma a regra)
Os jogos com o FCP têm sido a excepção na carreira de Paulo Bento como treinador do Sporting. De facto temos quase sempre vencido, principalmente por duas razões:
- Em todos esses desafios, o FCP tem sempre partido como favorito, quer pela estatística pontual, quer pela soma monetária teórica do valor dos passes do plantel, quer pela generalidade da imprensa e “opinion makers”; dando sempre a sensação nesses jogos que entram em campo “convencidos” que vão acabar por vencer o Sporting. E isso tem quase sempre funcionado a favor do Sporting, pois damos sempre a sensação que os surpreendemos em campo.
- O Jesualdo tem errado constantemente em termos tácticos, sendo que mudou o esquema só para os jogos com o Sporting e apenas em mais uma ocasião, quando foi a Londres perder por 4-1 com o Arsenal. Realmente o Jesualdo lá saberá porquê; pensando eu que o faz porque julga que o meio campo Leonino é superior ao dele, pelo que o tenta modificar, mas com as modificações ou sem elas, tem sido ai que o FCP perde os jogos com o Sporting, na batalha do meio campo.

Desta vez, e após alguns jogos, principalmente 2 Supertaças e uma Taça ganhas pelo Sporting ao FCP, e pelas prestações pobres do mesmo FCP esta época, não acredito que o FCP entre como “favorito” em Alvalade na próxima jornada, pelo que estou bastante céptico para este desafio, cheirando-me o mesmo demasiado a empate; até porque na “cabecinha” de Bento será muito mais importante não perder 2 jogos seguidos com os maiores rivais do que vencer.
Aceito que um treinador rígido como Paulo Bento possa no final das épocas conquistar mais umas taças para a nossa colecção gigantesca de mais de 13.000, mas até por isso, pelas mais de 13.000 taças que o Sporting tem, pergunto a mim mesmo e aos Sportinguistas se é isto que pretendemos?
Se calhar com outro treinador dariamos mais espetáculo mas no final ganhariamos menos, mas uma coisa é certa e sabida: não gosto de perder como perdemos em Barcelona ou na Luz, nem de ganhar a defender como em Braga.

http://afirma24.blogspot.com/

Anónimo disse...

boa analise mas axo k esqueces te DE um dos piores do SCP em toda a partida!! quanto a mim meteu dó, arrastou se pelo campo e o 1.º golo é culpa inteiramente dele! Roca ganha quanto NA MINHA KODESTA OPINAO o pior em campo!!Abraço JB

Leão de Alvalade disse...

Caro Capicua101:

Tal como escrevi na CL era perfeitamente possível termos vencido mas aconteceu-nos o oposto. Não quero entrar pelas equações de sucessivos “ses”. No futebol os melhores são os que marcam. Foi assim que senti a vitória do ano passado sobre o fcp. Se os “ses” contassem tínhamos perdido.

Não fomos suficientemente bons para fazer a diferença e as nossas propaladas armas que supostamente nos dariam a superioridade sobre os galináceos não se viram: a estabilidade do modelo de jogo foi antes a estagnação. O aporte fisico e experiencia que deveria vir de Rochemback foram a fraca concentração competitiva. O jogo rotinado entre os centrais que jogam há mais tempo rendundou em mais um golo infantil de bola parada. Patricio fez o que pôde mas não fez a diferença: o 1º golo exigiria melhor colocação para uma defesa sempre muito dificil e no segundo não conseguiu desviar a bola com o olhar. Como dizia o outro, quando jogamos com o Djaló jogamos para o 0-0 porque tanto é capaz do melhor como do incrível.

Acho que todos partilhamos aquele sentimento que perdemos uma boa oportunidade de deixar um adversário a uma distância razoável.

fantasma do Óculo disse...

Ah, bom! Estava a ficar assustado...

Análise lúcida e honesta (como é hábito). Acho que o jogo podia ter caído para qualquer lado. Foi para o deles,... paciência.

Chateou-me o Roca no 1º golo estar completamente desconcentrado a falar com o árbitro no momento do lançamento.

Melhores dias virão.

Abbraço Leonino!

Virgílio Bernardino disse...

Caro LdA:

Concordo inteiramente com essa espécie de rábula dos 'ses'... Isso é conversa pra boi dormir. Há que aproveitar enquanro estamos na mó de cima... Amealhar como a formiguinha e deixarmo-nos de cantorias como a cigarrinha...


Gde abraço!


Mpre27 a.k.a. Fanatsma do óculo...hehehe...

Eh pá, isto anda mal de disponibilidade para a blogosfera...

É o que a malta que trabalho no campo está sujeita!! ;)

Melhores dias virão, dizes bem, e amanhã será já um desses dias... I hope!

SL!

Armando Silva disse...

Tomamos do mesmo veneno que temos dados aos outros... Perdemos o jogo na eficácia... Até aqui temos ganha, mais do que pelas exibições..., pela eficácia, quer a defender quer a atacar... Desta vez falhamos num e outro aspecto e o resultado foi o que se viu...

Grande abraço caro amigo

Visconde disse...

Fomos ineficazes quando dominamos a partida e depois tentamos embalar o adversário para tentar o ataque final, mas quem acabou por adormecer fomos nós...
Agora temos 2 jogos para "acordar" e vencer a todo o custo.

Abraço caro Virgilio

PPA disse...

Censura em 2008

O assunto que aqui me trás pode parecer em timing errado, mas decidi falar antes que seja tarde demais.
Só agora posso falar, porque estive uma semana à espera que o vídeo estivesse disponível no site da RTP.
A verdade é que os média “apagaram” de todos os resumos e análises em jornais, um penalty que ficou por marcar no último Benfica – Sporting, o que é de espantar, pois repetiram centenas de vezes um suposto penalty de Postiga sobre Yebdá, que o árbitro marcou e fez questão de explicar, como sendo primeiro falta do atleta benfiquista.
Vejam então o vídeo entre 10:21 e 11:47 e constatam que os 3 comentadores, incluindo o benfiquista António Pedro Vasconcelos acham que era penalty.

http://ww1.rtp.pt/multimedia/index.php?tvprog=17798&idpod=17780&formato=flv&pag=recentes&escolha

Em todos os resumos deram, isto, aquilo… um “penalty” cometido por Postiga, os 2 golos do Benfica (mas não a falta que dá origem ao 2-0) e estranhamente todos os resumos terminam com esse 2-0.

Já que têm o vídeo, vejam o 2º golo do Benfica de 01:30 a 01:42 e reparem que o livre é marcado 20 metros mais à frente do que o local da falta.

No passa nada… e nós somos uns anjinhos, nem reclamamos nem nada… mais o FSF ainda de senta ao lado do Oliveirinha e do Papa.

Já agora… será desta que sai o sumaríssimo para o Bruto Alves por cotovelada ao Miguel Veloso?